FOIRN ELEGE NOVA ARTICULADORA DAS MULHERES INDÍGENAS DO MÉDIO E BAIXO RIO NEGRO

Durante o I encontro de Mulheres Indígenas do Médio e Baixo Rio Negro na comunidade Cartucho, a Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (FOIRN), elege a nova articuladora das Mulheres do Departamento de Mulheres Indígenas do Rio Negro para a Região da Coordenadoria das Associações Indígenas do Médio e Baixo Rio Negro (CAIMBRN), Cleocimara Reis Gomes do povo Piratapuia, foi eleita com 21 votos de 35 delegadas, atua como professora na comunidade Cartucho, membra da Associação das Comunidades Indígenas Ribeirinhas (ACIR), tem como formação e experiência cursos de Gestão de Projetos Indígenas-UFAM/COIAB, Fortalecendo a capacidade Indígena para conservação ambiental – ACTBrasil, Guarda -Parque Indígenas e Não Indígenas-ACTBrasil, Técnica em Floresta – CETAM, Formada em Licenciatura Indígena Política Educacionais e Desenvolvimento Sustentável- UFAM, Experiência como Professora desde 2012, Tesoureira da ACIR 2009 a 2012 e Presidente da ACIR 2014 a 2017.

As candidatas que concorreram o cargo de articuladora, Gloria Rabelo, Cleocimara Reis gomes e Arleide Bety Reis da Silva. Foto: Rariton Horácio- Baré – Comunicador Indígena da Rede Wayuri.
Cleocimara Reis gomes – Eleita Articuladora das Mulheres Indígenas do Médio e Baixo Rio Negro. Foto: Rariton Horácio- Baré – Comunicador Indígena da Rede Wayuri.

Cleocimara assumirá a função que estava a sua antecessora Glória de Braga Rabelo do povo Baré e atuará a partir do mês de setembro de 2022 a dezembro de 2024.

As mulheres reunidas neste encontro receberam palestras sobre sensibilização de violência contra mulher onde foram esclarecidas teses sobre os tipos de violência, como física, psicológica, moral, patrimonial, sexual, a Dulce assessora do DMIRN/ISA cita que varias mulheres passam por esse ato de violência mais que não tem a coragem de denunciar o agressor. As delegadas tiveram a oportunidade de falar sobre a realidade de cada região que é uma grande fatalidade na sociedade.

A liderança da Associação das Comunidades Indígenas do Médio Rio Negro (ACIMRN) Jaqueline, que por sua vez também e membro do conselho tutelar do município de Santa Isabel do Rio Negro, explanou sobre os direitos que a mulher tem hoje e muita das vezes não são atendidas quando resolvem denunciar. Disse que como se as mulheres fossem sem valor moral na sociedade.

Erica Vilela Yanomami, Presidente da AMYK. Foto: Rariton Horácio- Baré – Comunicador Indígena da Rede Wayuri.

Erica Vilela Yanomami, Presidente da AMYK, relatou que na sua região ainda e praticado atos de violência sexual bastante constrangedor, que faz as mulheres do povo Yanomami sentir-se traumatizada, sem valor moral para os homens, onde ela cita que ela é uma guerreira que sempre vai lutar pelos seus direitos e faz reivindicações de seus direitos para seu povo.

Maria do Rosário do povo Baniwa, coordenadora do Departamento de Mulheres indígenas do Rio Negro (DMIRN), apresenta a realidade do funcionamento e faz uma proposta de implementação de uma rede entre as mulheres.

Sheine Diana articuladora Departamento de Adolescentes e Jovens do Rio Negro (DAJIRN). Apresenta a estrutura composta pelo pelos articuladores representando as cinco regiões.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: