Rede Wayuri é premiada em Haia por inovação e combate à desinformação

Comunicadores indígenas do Rio Negro receberam o Prêmio Estado de Direito 2022, do World Justice Project, pela produção de informações confiáveis e enfrentamento às notícias falsas. Diretor-presidente da Foirn Marivelton Baré viajou à Holanda

Por Ana Amélia Hamdan – Jornalista do ISA

Quarta-feira, 1 de Junho de 2022 às 17:39

claudia wanano
Claudia Wanano, jornalista da Rede Wayuri de Comunicadores Indígenas, aparece na tela de premiação na Holanda|Diana Gandara/ISA

Acostumada a enfrentar o desafio das grandes distâncias na Amazônia, a Rede Wayuri de Comunicadores Indígenas foi ainda mais longe. Nesta terça-feira (31/5), o grupo que atua na região do Alto Rio Negro (AM) recebeu o Prêmio Estado de Direito 2022, do World Justice Project (WJP), na cidade de Haia, na Holanda, durante o Fórum Mundial de Justiça 2022. A rede foi reconhecida pela inovação e o combate à desinformação na Amazônia brasileira. 

Conforme divulgado pela WJP, a Rede Wayuri foi selecionada em uma busca global. “Eles construíram conscientização e engajamento local em questões como a pandemia, a violência contra as mulheres e uma série de ameaças ambientais”, disse a organização. 

Marivelton Barroso, do povo Baré e presidente da Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (Foirn), recebeu a premiação pessoalmente em nome dos comunicadores. Em seu discurso, a liderança indígena reforçou que a atuação da Rede Wayuri ganha ainda mais relevância no atual cenário político do Brasil, com os povos indígenas convivendo diariamente com ameaças aos seus direitos, inclusive com ataques aos territórios. 

marivelton e juliana radler em haia
Marivelton Barroso, da Foirn (de casaco marrom) e Juliana Radler, assessora do ISA (de verde) recebem em Haia, na Holanda, reconhecimento à Rede Wayuri|Diana Gandara/ISA

“A Rede Wayuri exerce um papel fundamental através de comunicadores indígenas que fortalecem as comunidades ao distribuírem informações verdadeiras que fazem a contranarrativa às notícias falsas que promovem o medo e colaboram para o aumento da violência e da destruição na Amazônia”, afirmou. 

Ainda durante seu discurso, Marivelton Baré ressaltou a importância das mulheres indígenas na comunicação, mencionando as comunicadoras Cláudia Ferraz, do povo Wanano, Edneia Teles, do povo Arapaso, Janete Alves, do povo Desana, e Elisângela da Silva, do povo Baré, pela imensa contribuição aos trabalhos da Rede Wayuri. 

Jornalista e articuladora de políticas socioambientais do Instituto Socioambiental (ISA), Juliana Radler, que atua com a Rede Wayuri desde a sua criação, em 2017, também esteve em Haia para a premiação e comemorou. “O reconhecimento internacional da Rede Wayuri mostra o quanto o combate à desinformação é importante no Brasil, assim como a situação de vulnerabilidade e ameaças que os povos indígenas e a Amazônia vêm enfrentando no atual contexto político brasileiro, onde o Estado de Direito também está sob ataque”, destacou durante entrevista em Haia.

Atualmente, a Rede Wayuri é composta por cerca de 55 comunicadores de 16 etnias. Cinco deles trabalham a partir do município de São Gabriel da Cachoeira (AM), realizando semanalmente o programa de rádio Papo da Maloca, que vai ao ar na FM 92,7, de alcance local, com as locutoras Cláudia Wanano e Juliana Albuquerque, do povo Baré.

rede wayuri
Rede Wayuri em ação: comunicadores indígenas registram histórias em São Gabriel da Cachoeira (AM)|Ana Amélia Hamdan/ISA

m seguida, Cláudia Wanano edita o programa, dando forma ao Podcast Wayuri, disponibilizado nas principais plataformas de áudio. Também compõem o grupo Adelson Ribeiro, do povo Tukano, Irinelson Piloto Freitas, Tukano, e Álvaro Socot, do povo Hup’dah. A rede se prepara agora para reforçar sua presença das redes sociais. Visite o instagram da Rede Wayuri. 

Outros cerca de 50 comunicadores atuam diretamente do território indígena, encaminhando informações por WhatsApp e radiofonia. Mesmo com as dificuldades de comunicação em algumas áreas remotas da Amazônia, a rede leva as informações adiante e tem como uma de suas funções apurar as informações de forma a combater as notícias falsas.

Em janeiro, durante a IV Oficina da Rede Wayuri, o grupo chegou a traduzir para as línguas indígenas da região o termo fake news, o que facilita a compreensão sobre as notícias falsas na região. 

Ligada à Foirn e com a parceria e apoio do Instituto Socioambiental (ISA), a Rede Wayuri de Comunicadores Indígenas foi criada em 2017. Começou com poucos comunicadores e vem ganhando força a partir da valorização das próprias comunidades indígenas da importância do trabalho dos comunicadores na defesa dos seus direitos e do acesso à informação.

rede wayuri
Cláudia Wanano, Juliana Albuquerque (Baré), Adelson Ribeiro (Tukano) e Irinelson Piloto (Tukano) apresentam o programa de rádio Papo da Maloca|Ana Amélia Hamdan/ISA

A rede atua em um território indígena onde estão localizadas cerca de 750 comunidades de povos de 23 etnias nos municípios de São Gabriel da Cachoeira, Santa Isabel do Rio Negro e Barcelos. Em São Gabriel da Cachoeira – considerada a cidade mais indígena do Brasil –, além do português há quatro línguas indígenas co-oficiais: Nheengatu, Baré, Baniwa e Yanomami. 

Prêmio WJP

O WJP é uma organização independente e multidisciplinar que trabalha para gerar conhecimento e conscientização sobre a importância do devido processo legal no mundo. 

O Prêmio WJP reconhece conquistas de indivíduos e organizações para fortalecer o Estado de Direito de forma exemplar. Já receberam a premiação o ex-presidente dos Estados Unidos, Jimmy Carter (2017), e a advogada iraniana de direitos humanos e Nobel da Paz, Shirin Ebadi (2013). 

Participaram do Fórum de Justiça 2022 líderes como a alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet; Vice-Presidente para Valores e Transparência na Comissão Europeia, Vera Jourová; o presidente da Microsoft, Brad Smith, entre outros.

Acesse aqui o discurso do Diretor Presidente da FOIRN:

https://drive.google.com/file/d/14A2Ouw8mESFBWq-qQws4U3ycoPzg4SMI/view?usp=sharing

Oficina de formação da Rede Wayuri reúne comunicadores indígenas do Rio Negro 

Comunicadores Indígenas da Rede Wayuri participantes da IV Oficina de Formação e reunião de planejamento. Foto: Adimilson Andrade/Foirn

Comunicadores indígenas das diversas regiões do Alto Rio Negro (AM) estarão reunidos nos próximos dias – de 10 a 21 de janeiro -, em São Gabriel da Cachoeira, participando da IV Oficina de Formação em Comunicação. O encontro é realizado pelo Instituto Socioambiental (ISA) e Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (FOIRN) com apoio do IDEM Institute e German Cooperation. 

A oficina teve início na segunda-feira, 10/1, sendo que um dos primeiros destaques do primeiro dia foi a apresentação de atividades que vêm sendo desenvolvidas pela Rede Wayuri. Entre essas ações estão a produção do podcast Boletim Wayuri; o programa Papo da Maloca, veiculado na Rádio FM 97,2; atividades de formação nas comunidades; produção de vídeos; ações de comunicação para enfrentamento à Covid-19; cobertura da eleição municipal 2020; oficinas com profissionais da imprensa nacional, entre outros. A apresentação foi feita pela comunicadora Cláudia Wanano, coordenadora da Rede Wayuri.

Ontem dia 10/01, estiveram presentes na oficina sendo 55 comunicadores indígenas da região do rio Negro e 12 pessoas da organização e instrutores da oficina. A Secretaria Municipal de Saúde realizou a testagem de Covid-19 em todos os participantes antes do início do evento. Com todos os testes negativos e protocolo sanitários estabelecidos foi dado início então a essa IV Oficina.

Participam do encontro representantes de lideranças das cinco coordenadorias da FOIRN – Diawi´i, Nadzoeri, Caimbrn, Coidi e Caiarnx – que representam as 23 etnias que convivem no território indígena do Rio Negro, a diretora da Foirn, Janete Desana; as coordenadoras  do Departamento de Mulheres Indígenas (Dmirn) da FOIRN, Dadá Baniwa e Larissa Tukano; Coordenador do Departamento de Adolescentes e Jovens Indígenas (Dajirn), Élson Kene Baré e a equipe de Comunicação da FOIRN,  Gicely Ambrósio, Ray Baniwa, Eucimar Aires e Admilson de Andrade. As atividades acontecem no telecentro no ISA em São Gabriel. 

Durante a oficina será aperfeiçoado o processo de produção do podcast Boletim Wayuri, com a realização de um programa com o tema da Covid-19, buscando informações sobre como a pandemia atingiu os 23 povos que vivem nessa região da Amazônia e como os indígenas retomaram seus conhecimentos para o enfrentamento à crise sanitária. 

Cláudia Ferraz Wanano, Coordenadora da Rede Wayuri conduz abertura da IV Oficina de Formação. Foto: Ray Baniwa/Foirn

Entre os palestrantes da IV Oficina de Formação em Comunicação estão importantes jornalistas à frente da produção de podcast. Uma delas é a jornalista Letícia Leite, que esteve à frente do Copiô Parente, primeiro podcast sobre e para povos indígenas, e em 2021 produziu o primeiro original GloboPlay com apresentação indígena. Nessa segunda-feira, primeiro dia do encontro, ela participou da oficina e reforçou a importância da Rede Wayuri para o jornalismo indígena. “O jornalismo indígena está se fortalecendo cada dia mais, e a Rede Wayuri é uma referência nessa área”, disse.

Outro destaque é a participação do indígena Maickson Serrão, criador do podcast “Pavulagem – Contos da Floresta”, que narra o cotidiano da vida ribeirinha na Amazônia. 

Haverá ainda apresentação da jornalista, roteirista e diretora de criação, Paula Scarpin, fundadora e produtora da Rádio Novelo (www.radionovelo.com.br).

O tema Fake news será apresentado pela jornalista Tainã Maisani, do Idem. O encontro também contará com formação na área de audiovisual, com a profissional de audiovisual Diana Gandra e o cineasta indígena Moisés Baniwa. A produtora e pesquisadora Naiara Alice Bertoli é responsável pela organização do evento. 

Além da oficina, será realizada durante o encontro a I Reunião de Planejamento Participativo da Rede Wayuri de Comunicação indígena, conduzida pela jornalista Juliana Radler, do ISA, e pela comunicadora indígena Cláudia Wanano. 

No último dia da oficina vamos trazer atualizações sobre a oficina.

Comunicar para proteger: rede de radiofonia do Rio Negro é ampliada

Intalação de nova radiofonia na comunidade Mafi, município de Santa Isabel do Rio Negro. Foto: Foirn

A rede de comunicação por radiofonia está sendo fortalecida nas comunidades indígenas do Rio Negro em projeto desenvolvido em parceria entre Foirn, Distrito Sanitário Especial Indígena do Alto Rio Negro (Dsei-ARN) e Conselho Distrital de Saúde Indígena (Condisi). Desde maio, já foram instalados 92 kits de radiofonia. No total, serão entregues aparelhos a 152 comunidades. O presidente da Foirn, Marivelton Barroso Baré, está realizando viagens pela região para a implementação desta ação.

Considerada fundamental para a vigilância, proteção e gestão territorial desde o início da luta pela demarcação das terras indígenas, a radiofonia também é importante instrumento de controle social. Esse sistema de comunicação ganhou ainda mais relevância durante a pandemia, sendo primordial para o combate à Covid-19.

Na última semana de agosto, oito comunidades indígenas receberam kits de radiofonia. Em viagem realizada pela Foirn, Dsei-ARN e Condisi, foram instalados equipamentos nas comunidades do Médio e Baixo Rio Negro. São elas: Mafi, Cujubim, Ilha do Chile, Tabocal do Enuixi, Lajinha, Acu Acu, São Joaquim e Tapereira.  Os recursos desse projeto são da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai).

Para o presidente do Condisi, Jovânio Normando Baré, essa é uma luta antiga das lideranças e ver comunidades indígenas recebendo os kits de radiofonia é realizar um sonho.  “Agora as pessoas que não tinham como receber ou passar mensagem, vão poder se comunicar com outras. Isso só está sendo possível através da forte parceria Condisi, Dsei-Alto Rio Negro e Sesai com a Foirn, que tem sido fundamental nesse processo”, diz. 

Jovânio Normando fez parte da equipe de viagem de instalações desses equipamentos nas comunidades na região do Médio e Baixo Rio Negro, junto com o Presidente da Foirn, Marivelton Barroso Baré.

Com mais comunidades conectadas, a rede de comunicação através de radiofonia do Rio Negro fica maior e fortalecida. Esse trabalho de comunicação liderado pela Foirn com contribuição de parceiros tem sido fundamental para combate à Covid-19 e nas comunidades indígenas. 

Marivelton Rodrigues Baré, Presidente da Foirn passando informações para as comunidades através da radiofonia. Foto: Ray Baniwa/Foirn

Histórico

As primeiras rádios no Rio Negro foram instaladas em 1994. Quatro delas foram adquiridas com apoio da Aliança Pelo Clima, sendo que oito equipamentos tiveram recursos dos Amigos da Terra.  Esses aparelhos foram instalados em pontos estratégicos após ampla discussão com as organizações de base filiadas à Foirn na época.  “A primeira radiofonia no Rio Negro foi instalada na comunidade Ilha das Flores”, lembra Maximiliano Corrêa Tukano, liderança que participou daquele momento histórico para a comunicação indígena na região.

“Esse meio de comunicação chegou para apoiar a comunicação para a vigilância e gestão do território devido a intensas invasões de garimpeiros e empresas mineradoras. E posteriormente foi fundamental no processo de demarcação das terras indígenas e no início do Dsei. Nos anos seguintes, ampliamos para os outros municípios onde atua o movimento indígena. Fortalecer a nossa comunicação com as bases vai proteger o nosso território”, completa.

Terra e Cultura para o bem viver indígena

Blog da Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro

Blog II da EIBC Pamáali 2014 a 2016

Bem-Vindo ao blog II da escola Pamáali, localizada no Médio Rio Içana-Alto Rio Negro. Aqui você encontra notícias da região do Alto Rio Negro sobre Educação Escolar Indígena e outros assuntos. Deixe seus comentários!

CAIMBRN

Coordenadoria das Associações Indígenas do Médio e Baixo Rio Negro

Blog do Povo Baniwa e Koripako

Nossa presença na Web

Antropologia médica

Diálogos entre pesquisadores latinoamericanos

Lúcio Flávio Pinto

A Agenda Amazônica de um jornalismo de combate

Uma (in)certa antropologia

O tempo, o clima e a diferença

Rio Negro

Blog do Ray Baniwa